quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Sugestões natalícias para a vossa cara-metade

O Natal está a chegar e, se bem conheço os meus românticos leitores, é hora de surpreender a cara-metade, quer seja a namorada ou o namorado, quer seja a empregada de mesa cuja mão roça ao de leve na nossa quando nos está a entregar o troco, quer seja aquela pessoa especial que nos faz subir a uma árvore todas as noites para a observar com uns binóculos com infra-vermelhos enquanto troca de roupa e vê a telenovela... Toda a gente com o mínimo de experiência em relações sabe que o segredo para as manter é dar prendas, a santíssima trindade: aniversário, dia de S. Valentim e Natal. Falhem uma delas e põem em causa toda a estabilidade que esse relacionamento possa ter.

Deixo então uma lista de sugestões para prendas de Natal que surpreenderão e salvarão a vossa relação com essa pessoa que faz com que a vossa vida valha a pena e com quem querem passar a próxima eternidade (já pensaram em dizer isto àquela colega de trabalho que vos diz bom dia todos os dias e que de há duas semanas para cá deixou de usar aliança? Um pouco de sinceridade nunca fez mal a ninguém e estas palavras bonitas caem sempre bem).


Sugestão 1 - Kit casaco de peles Do It Yourself (DYI)




Este kit, que consiste num conjunto de facas e numa gaiola com um vison vivo, é o último grito da moda feminina. Não é novidade para ninguém que as mulheres adoram casacos de pele, principalmente as vegetarianas que só o são por inveja de quem possui casacos de peles, mas todos sabemos que melhor do que comprar um casaco de peles é fazer o nosso próprio casaco de peles (eu que o diga, que no outro dia matei duas toupeiras para fazer umas luvas e um flamingo para fazer um daqueles chapéus à chefe dos índios... o que me dizes a isto, índio dos Village People?)... Quando compramos um casaco de peles ignoramos todo o bonito processo que este teve que atravessar até chegar às nossas mãos (a fase da matança e a fase do escalpe são maravilhosamente agradáveis de executar). O kit casaco de peles DIY, que inclui um animal vivo e os instrumentos necessários para elaborar o casaco, vem colmatar a nossa necessidade de conhecer todo este ciclo de produção e tornar mais especial a experiência de envergar um casaco de peles. Ultrapassa e dá três voltas de avanço ao prazer de usar o casaco de malha que nos levou 6 meses a tricotar (e que bonito é esse casaco com o seu padrão cinzento e castanho e com flores nos ombros).

Este presente traz como oferta uma segunda intenção. Já que muitas mulheres podem ter dificuldades em confeccionar o seu primeiro casaco de peles sozinhas, é uma óptima desculpa para um programa romântico a dois, atirando para canto a demodée matança do porco.


Sugestão 2: Proporcionar-lhe uma daquelas experiências que mudam a vida

Quem passa por experiências traumáticas geralmente torna-se uma pessoa diferente. A vida passa a ter outro sabor. Dá-se mais valor às pequenas coisas (como elaborar o nosso próprio casaco de peles). Ganhamos desculpa para enveredar por toda a espécie de vícios que até então nos estavam vedados por sermos pessoas com uma vida perfeitamente normal. Garantimos entrada em tudo o que é terapias de grupo. É por isso que dificilmente imagino melhor prenda do que proporcionar a alguém uma experiência deste género.

Tudo depende da vossa criatividade. Vale tudo desde que tenha impacto e seja traumatizante. Dou-vos alguns exemplos:

- fazer passar a nossa cara metade por um estado de coma prolongado (eg. atropelando-a), proporcionando-lhe uma experiência de quase morte (aquela luzinha é imperdível) e um revigorante sono que pode ir dos 5 aos 40 anos;
- pagar a uns bandidos para se fazerem passar por extraterrestres, abduzirem a vossa mais que tudo e combinar as coisas de maneira a que sejam vocês próprios os grandes salvadores. Não só será uma experiência traumática como ela vos ficará eternamente grata por a terem salvo daqueles venusianos nojentos. Só não esperem que ela vá ver o ET convosco depois disto.

Se a vossa relação com ela é a de stalker-vítima, estão no bom caminho. Ela não vos vai esquecer... nem aos vossos postais escritos com letras recortadas do jornal...


Sugestão 3: Um dispositivo de micção feminino
Este dispositivo, que já foi considerado por pessoas insuspeitas, como o nosso Presidente da República, como a grande invenção do século XXI, veio revolucionar a vida de todas as mulheres. Com esta espécie de funil anatomicamente adaptado as mulheres passam a deter esse super-poder, até agora exclusivamente masculino, de urinar de pé. Este dispositivo faz mais pela emancipação feminina do que a pílula, o micro-ondas e o detergente em pó juntos. É uma boa prenda porque é útil, mostra que nos preocupamos com os seus problemas reais (já perdi a conta às vezes em que mulheres conhecidas e desconhecidas partilharam comigo a sua mágoa de serem obrigadas a urinar sentadas, atirando-me à cara que "eu nem sabia a sorte que tenho por ser homem e poder urinar em todo o lado e não precisar de estar em filas para a casa-de-banho, que muitas vezes até está vomitada") e vem obedecer aos seus desejos mais profundos, que, ao contrário do que normalmente acontece apesar da nossa extremamente apurada sensibilidade, não nos passaram despercebidos. Por outro lado dá-nos um pretexto para abordarmos a questão das necessidades fisiológicas da nossa namorada à frente de toda a família, o que é impagável, hilariante e digno de ser partilhado no Conan O'Brien, caso algum dia tenhamos oportunidade de lá ir (o segredo para termos uma vida interessante é só fazermos coisas que sejam dignas de serem partilhadas no programa do Conan O'Brien). Oferecer um dispositivo destes a uma desconhecida também não é de desprezar, já que, ao fazê-lo, nos tornamos imediatamente no homem mais sensível com que esta mulher se cruzou.

Sugestão 4: Sortido de brinquedos

Este brinquedo (cocó para usar na cabeça, para levar a corridas de cavalos ou para tornar mais fácil a superação do estádio anal, "controlar o esfincter é fácil, 80% de força de vontade e 20% de skill"):


Ou então este (peixe cor-de-rosa de brincar para ela fingir que está a comer peixe):


Ou, talvez, este (cabeça de camelo gigante, para se poder gabar a todos os seus amigos: "Eu tenho uma cabeça de camelo gigante e vocês não"):


Porquê? Não sei explicar... Se calhar é por serem brinquedos espectaculares, que vos farão subir uns pontos na escala da consideração delas... Podem jogar pelo seguro conjunto "Livro+perfume", mas lembro-vos que a vossa subida no ranking é proporcional à criatividade que mobilizaram na escolha da prenda e um chapéu em forma de cocó não é de desprezar.


Sugestão 5: Vídeo de vocês próprios com um barrete, uns óculos parvos e um cachecol a tapar a cara a fazer karaoke do hit de 1997 "Alane" do artista camaronês Wes (1.º lugar na Áustria, França, Bélgica e Holanda)

É irresistível, marcante e prometo-vos que ficarão irreconheciveis para a polícia. Está provado que cantar em bantu é a chave para o coração de 80% das mulheres (o coração das restantes 20% abre-se com cantonês... Para quando uma música do Julio Iglesias em Cantonês e Bantu? Será devastador...).

Fica aqui o vídeo e a letra para poderem treinar.





Wes - Alane

Son déri sang / Mini sondé
Bika mi sanga / ga minitou / mi pa mi tcho andou mi pao yé
Son déri sang / Minimi so bébi sondé..é
Bika misanga ganimitou / mi pa mi tcho andou mi pao yé

Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé
Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé

We ya senga / Has wéhé
Wanna wéndé lambo / hé hé hémentourek !
Hé hi yé yé yé (bis)

Son déri sang / hou hou hou hou hou / Mini sondé
Bika mi sanga / ga minitou / mi pa mi tcho andou mi pao yé

Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé
Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé

We ya senga wé / Has wéhé
Wanna wéndé lambo / hé hé hémentourek !
Hé... hi yé yé yé

Né ma ka ni kaso
Né ma pa ni kaso / Né ma pa sé pa
Né ma ka ni kaso / Né ma pané ka
Né ma pa ni kaso / Né ma pa sé pa
Né ma ka ni kaso / Né ma pané ka
Né ma pa ni kaso / Né ma pa sé pa
Né ma ka ni kaso / Né ma pané ka

Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé
Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé
Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé
Alanné mba yi woma... wé / Ho tou sondé / Ho ma... yé

We ya senga / Has wéhé
Wanna wéndé lambo / Yé yé yein
We ya senga / Has wéhé
Wanna wéndé lambo / hé hé hémentourek !

Né ma pa ni kaso / Né ma pa sé pa
Né ma ka ni kaso / Né ma pané ka
Né ma pa ni kaso / Né ma pa sé pa
Né ma ka ni kaso / Hé... hi yé yé yé


Para já não me lembro de mais sugestões. São livres para deixarem as vossas, sendo que garantidamente não são tão eficazes como as minhas. Para a minha cara metade organizei um cabaz de Natal que reúne estas 5 e um bacalhau. Finalizo com a sugestão:

Sugestão 6: Bacalhau

Para quem não sabe o bacalhau é um peixe que existe em abundância na Noruega. Nós, portugueses, gabamo-nos das 500 mil maneira que inventámos para confeccionar este peixe (Bacalhau à Braz, Bacalhau à Gomes Sá, Bacalhau com Natas...). Tradicionalmente é o prato preferido da maior parte das famílias na ceia natalícia (o sacrifício final das crianças antes de receber as prendas... "Querem as prendas? Comam o bacalhau."). É sempre uma prenda a ter em conta.
Enviar um comentário