segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Os tortuosos caminhos para o Zen

 
Todas as minhas incursões no mundo das técnicas de relaxamento acabam comigo a ficar ansioso por não estar suficientemente calmo. Geralmente acabam comigo a gritar na cara do instrutor de Yoga:

- EU QUERO RELAXAR! RELAXA-ME! EU NÃO CONSIGO IMAGINAR QUE ESTOU NUMA PRAIA DESERTA! A PRAIA QUE EU IMAGINEI ESTÁ CHEIA DE GENTE A FAZER BARULHO E A ATIRAR-ME AREIA E A COMER ROJÕES COM BATATAS FRITAS E CÃES A URINAR EM TODO O LADO... PORQUE É QUE AS PESSOAS TRAZEM ANIMAIS PARA UMA PRAIA CHEIA DE GENTE? EU TAMBÉM NÃO CONSIGO IMAGINAR AS DIVERSAS PARTES DO MEU CORPO, A CABEÇA QUE IMAGINEI NÃO ERA A MINHA E AS PONTAS DOS MEUS DEDOS DOS PÉS TAMBÉM NÃO SÃO ASSIM! AS QUE EU IMAGINEI TINHAM AS UNHAS PINTADAS! OLHA PARA AS MINHAS! PARECE-TE QUE EU TENHO AS UNHAS PINTADAS? QUEM É QUE PENSAS QUE EU SOU? EU SÓ QUERO RELAXAR! JÁ, IMEDIATAMENTE QUE É PARA ISSO QUE TE PAGO! AGARREM-ME ANTES QUE EU LEVE TUDO À FRENTE! AAHHHHHH!...

Talvez devesse procurar um programa de Técnicas Indutoras de Ansiedade. Não me parece que conseguisse ficar nervoso por não estar a conseguir ficar suficientemente nervoso.
Enviar um comentário