quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Guerra na Geórgia e Hollywood


Dizem que a invasão da Geórgia por parte da Rússia pode gerar uma situação de desequilíbrio no panorama político mundial. A questão essencial aqui é: o que é que isto quer dizer? Como declaração de interesses devo começar por afirmar que não sei! Antes que venham para aqui dizer que eu sou uma besta de um ignorante que devia levar uma bastonada meio dos dentes eu admito: sou uma besta de um ignorante que devia levar uma bastonada no meio dos dentes. É inadmissível que eu venha para aqui citar factos que desconheço e nunca saberei, explicar.

Saltando então esta parte e voltando à questão do desequilíbrio geopolítico que eu, lamentavelmente, não sei explicar, devo dizer que apesar desta imperdoável ignorância sei que é algo de bastante grave.

Enquanto estamos apreensivos, e com razão, com a vaga de crime e com o lançamento de um CD do José Castelo Branco não nos conseguimos aperceber do regresso dos fantasmas da Guerra Fria. O que, para os mais desatentos, pode ter enormes repercussões ao nível dos filmes de Hollywood.

Isto de os americanos se terem tornado amiguinhos dos russos é uma treta. Quem é que, como eu, não ansiava o regresso de Rambo àquilo que ele sabe fazer melhor? Ou seja, dar porrada aos comunistas. Nem que para isso tenha que se aliar aos freedom fighters do Afeganistão, os mujahedins, também conhecidos como talibans (nada mau para uma besta de um ignorante). Para os mais desatentos (sim, este texto é dedicado a vocês, a quem tudo passa ao lado, que não se aperceberiam do fim do Mundo nem que o Cavaco Silva se dirigisse a vossa casa todo nu e o anunciasse através de um número musical envolvendo leões e porquinhos da Índia e com tradução simultânea em linguagem gestual feita por um José Hermano Saraiva vestido de palhaço… "um dia normal em Sacavém" diriam vocês, seus distraídos...), no seu último filme, John Rambo rebentava o canastro às forças opressivas da Birmânia ou do Myanmar ou lá o que é.

Apesar de rebentar o canastro a quem quer que seja ser uma coisa boa, opor o Rambo a birmaneses é algo extremamente preocupante... É como querer parar um Boeing 747 com o corpo (o que é extremamente difícil, posso garantir-vos por experiência própria!). Ora vejamos, eu, que em termos de massa corporal sou 1/100 do Stallone sou capaz de desancar 50 birmaneses antes do pequeno-almoço.

Não há nada melhor do que poder voltar a ver o Rambo ou o Chuck Norris a lutar contra os comunistas. OK! Para aqueles que queriam mandar-me uma bastonada nos dentes pela minha ignorância eu digo-vos que já sei que a União Soviética acabou e sei que o comunismo na Rússia acabou em 1989 (ou terá sido ontem?), mas para um fã de filmes de acção, lutar contra russos é a mesma coisa do que lutar com comunistas! Quem gosta destes filmes percebe-me! Por isso, doravante, referir-me-ei aos russos como "comunistas", "demónio vermelho", "Seguidores do anticristo", "papa-crianças" ou "as hemorróidas do capitalismo". Um fã de filmes de acção não quer saber da dialéctica do materialismo, nem da opressão do povo pelo grande capital. Um fã de filmes de acção é uma pessoa de gostos simples que deseja apenas 3 coisas: porrada, bombas e cadáveres a amontoarem-se em pilhas cada vez maiores ao som de rajadas de metralhadora. As 3 coisas mais belas que a natureza tem para nos oferecer!

Já aqui referi a coligação entre o Rambo e os talibans contra o demónio comunista… Isto só quer dizer uma coisa: o facto de os russos terem voltado a ser os inimigos representa o fim da guerra contra o terrorismo (e o reinício de uma outra guerra bem mais interessante que pode levar, por exemplo, ao Holocausto nuclear, não é Sra. Palin?)! Se há coisa que os fundamentalistas islâmicos e os rednecks americanos têm em comum é que odeiam comunistas. Ou seja, em pouco tempo vamos ver Bush em amena cavaqueira com o Bin Laden, elogiando-se mutuamente e trocando discretos beijinhos na boca sem ninguém ver. No fundo, como há uns anitos atrás. Depois do 11 de Setembro esse relação esfriou um bocado (algo me diz que o relacionamento de Bin Laden com Ayman Al-Zawhahiri teve a ver com isso, pelo menos Bush e Osama deixaram de ir tantas vezes ao cinema, como quando o Bin Laden tinha uma relação aberta com George Bush Sr.). Agora limitam-se a trocar SMS's no Natal, nos anos um do outro ou quando a bebedeira de um deles os leva a reviver os momentos nostálgicos do passado (todas as sextas e quartas à noite). O ódio a esses comunistas ateus vai salvar-nos!

Eu sei que a União Soviética acabou e não sei quê… mas acham que o Bush sabe?
Enviar um comentário