sexta-feira, 6 de junho de 2008

Eu fui


“Eu fui”. Duas palavrinhas: um pronome e um verbo que, por si só, não significariam nada, a não ser como resposta a alguma pergunta. No entanto, antes de dizer que ontem estive no Rock in Rio, vocês já o perceberam, tal o poder deste slogan. Estive presente num dos dias “rock” do evento. Um dos únicos dias que dá algum sentido ao nome do festival, que, apesar de ter rock no nome, de rock tem muito pouco. Já para não falar do rio, outro aspecto do nome do evento que não percebo… não percebo o que querem dizer: Rio de Janeiro? Não me parece, isso é lá no Brasil… Rio Tejo? Um bocado longe e, ainda que fosse perto não faria sentido na mesma já que Rock in Rio significa Rock dentro do Rio. Implicava calçarmos todos as nossas barbatanas e vestir uns escafandros para assistir a uns concertos subaquáticos, o que até tinha piada, mas não é o caso… Rio de urina? Pronto, acho que sim… aí, o nome já começa a fazer sentido. Usar aquela consequência desagradável da concentração de dezenas de milhares de pessoas (que fazem xixi e cocó e vomitam… como os Nenucos) para dar o nome ao festival é muito audaz da parte da Organização! Não sei quem é que, da organização, achou que seria positivo baptizar o festival em honra das condições sanitárias do mesmo. Apesar de já sabermos que no final do primeiro dia do festival, vai serpentear pelo recinto um gigantesco rio de urina não é muito boa manobra publicitária… Rock in Rio!

Sei que é uma analogia estúpida, isto do nome e das condições sanitárias do festival, mas já tiveram a oportunidade de ir à casa de banho de um evento destes? Eu sei que ser homem é uma grande vantagem e, graças à nossa versatilidade anatómica, podemos alimentar o leito do Rio de urina de qualquer lado… E as raparigas? E os sólidos? Eu deixei de me sentir intimidado com filmes de terror, com idas ao cemitério à noite e com jantares com o Conde Drácula depois de ter entrado numa Toi toi. É, simplesmente, o cenário mais assustador que vi na minha vida. Um exíguo espaço de um metro quadrado, com luz suficiente apenas para nos deixar imaginar que tipo de resíduos estão à nossa volta. E, como se não bastasse, depois de se fazer o que se tem que fazer, surge uma questão: onde se lavam as mãos? Em lado nenhum! Acabámos de sair do sítio mais imundo do Universo e não temos onde lavar as mãos… E com a nossa falta de higiene podemos nós bem… Então e os outros? É inevitável pensar nas mãos de todos os milhares de pessoas que tenham entrado na Toi toi, nas mãos daquele bêbado que se empoleirou em nós durante o concerto de Moonspell, nas mãos da senhora que nos serviu a bifana, nas mãos da nossa namorada que acabámos de beijar… Apercebemo-nos que as Toi tois, devido à transmissão de germes, estão omnipresentes em todo o festival.

Agora que me apercebi que acabei de escrever mais de 1000 páginas sobre as casas de banho dos festivais, depois de escrever um post sobre flatulência no mundo das celebridades, começo a ter uma noção daquilo que me vai na cabeça, por isso vou parar por aqui e deixo o resto à vossa imaginação. Acho que já a espevitei bem… Tão cedo não vou ter mais conteúdos escatológicos neste blog! Prometo!

Relativamente ao festival em si é sempre uma experiência enriquecedora. Antes sequer de entrarmos no recinto somos revistados cerca de 5 vezes. Vão às nossas garrafas de água e tiram-lhes a tampa, o que é completamente estúpido! Se levamos garrafas de água na mochila é para o caso de termos sede. É normal que elas estejam fechadas! Vamos abri-las quando tivermos sede e a tampa é para as fecharmos quando não tivermos mais sede… É uma bela invenção, com alguns anos, mas ainda assim admirável! E o que é que os polícias fazem? Abrem-nas e deitam fora a tampa: passando-nos a mensagem de que ou as bebemos de penalty ou vamos andar com elas abertas até termos sede. E qual é o argumento para isto? “Ah, é para não atirar aos artistas”. Amigos, se eu quisesse fazer o que quer que fosse aos artistas tinha um recinto cheio de pedras à minha disposição (fiz questão de reparar nisto) e se eu fizesse mesmo questão de lhes atirar com garrafas de água fechadas eles vendiam-nas dentro do festival… OK, vendiam-nas por 2 euros o que nos causaria alguma hesitação no momento de as atirar à cabeça do baixista dos Machine Head mas a oportunidade está lá... Eu não os quero acusar de nada, longe de mim fazer juízos de valor sobre as pessoas da organização, mas será que nos tiram as garrafas para sermos obrigados a gastar 2 euros lá dentro? Mais uma vez não estou a acusar ninguém, só estou a levantar a questão…

Ainda antes de entrar no recinto somos bombardeados com publicidade. Dão-nos chiclets, porta-chaves, panfletos… Tudo material extremamente útil que acaba, invariavelmente, no chão! O que vai de encontro à mensagem social do Rock in Rio: “Ah! Temos que salvar o planeta e não sei quê porque senão fritamos todos…” (isto é uma citação do vídeo que a Gisele Bundchen gravou para o Rock in Rio que passava entre os concertos… Ora aí está uma boa ideia! Acho que a solução para salvar o ambiente seria oferecer uma Gisele Bundchen a todos os homens… Não imagino melhor incentivo! Quais benefícios fiscais para quem usa energias renováveis! A solução era ter uma Gisele Bundchen atrás de nós a avisar-nos sempre que precisamos de fechar a luz oua dizer-nos que tipo de embalagem colocamos no recipiente amarelo ou a impedir-nos de gastar tanto em aquecimento naquelas noites frias… É preciso é haver vontade política, porque se realmente quisessem salvar o Mundo era muito fácil…).

É então que entramos e percebemos que gastámos 53 euros não por causa dos concertos mas para entrar num espaço publicitário tridimensional. Acho que devia ser obrigatório colocarem a palavra “PUB” no canto inferior direito da nossa visão para podermos estar no Rock in Rio, tal é a invasão publicitária a que somos submetidos. O espaço abre às 15h para nos dar a oportunidade, a nós, que pagámos bilhete, de usufruir à vontade de toda a oferta publicitária disponível. E o incrível é que para usufruir da publicidade e recebermos os devidos brindes temos que passar meia hora em filas. É o Millenium que teve a ideia genial de oferecer Mohawks vermelhas (acho que fizeram um estudo de mercado em que descobriram que as pessoas têm uma maior preferência por bancos em que oferecem Mohawks vermelhas… será porque, com uma Mohawk vermelha, ficamos mais parecidos com o filho do Jardim Gonçalves?), é a Vodafone que tem uma pista de neve artificial em que temos que esperar meia hora para uma descida alucinante de 3 segundos numa bóia, é a zona da Toyota que tem o Nilton a dinamizar um jogo de tetris humano (o ponto alto da carreira de um humorista: dinamizar um jogo de tetris humano! Espero mesmo que tenham dado um carro ao homem…), é a Seguro Directo que dá umas bóias em forma de pato para o pessoal meter à cintura (será que é para não nos afogarmos no rio de urina? Pronto, chega de escatologia)… Concluindo, depois de uma hora na Cidade do Rock já parecemos um Pai Natal de brindes: peruca do Millenium, a bóia da Seguro Directo, t-shirt da LG, um carregamento industrial de pacotes de Trident, mochila da SIC, barrete de campino do Licor Beirão, sofá insuflável da Vodafone, lenço da CP (isto são tudo brindes verdadeiros, podia exagerar mas não o fiz… é escusado fazê-lo quando a realidade é exagerada que chegue…)… Enfim, transformamo-nos num painel publicitário ambulante! Perdemos a comodidade de quem não anda de peruca, sofá insuflável, bóia, etc. para nos tornarmos num outdoor publicitário! Um conceito genial! Nós achamos que estamos a ganhar brindes quando afinal estamos a vender-nos como painéis publicitários… Perdemos em comodidade aquilo que as marcas ganham em publicidade!

E sobre os concertos? Não há muito a dizer… Gostei muito de Machine Head! Da música que eles tocara durante hora e meia (pelo menos pareceu-me só uma música), que eles iam interrompendo de vez em quando para nos dizer quão fucking crazy e amazing nós éramos… E nós, orgulhosos, gritávamos por Portugal e dávamos sonoros “Yeahs” como se aquilo fosse o maior elogio que nos podiam dar, como se a Gisele Bundchen nos estivesse a dizer ao ouvido que nós éramos as pessoas mais sexys e com a melhor personalidade que ela conhece… É incrível como reagimos mais histericamente a um “fucking crazy” do vocalista dos Machine Head do que a um elogio da Gisele Bundchen. Seria engraçado responder a um elogio da Gisele Bundchen com um sonoro “Yeah!” na cara. Acho que ela ia gostar.

E porque diziam os Machine Head que nós somos malucos? Porque, de facto, somos malucos… Somos malucos ao ponto de, por livre e espontânea vontade, andarmos à porrada com completos desconhecidos (num ritual tremendamente homoerótico, diga-se de passagem...), correndo o risco de partir dentes, pernas, braços, só para apreciar a sua música… Os apreciadores de moshe dizem-me que essa é a melhor maneira de apreciar música pesada… Mas, é impressão minha ou passar duas horas à porrada, para além de ser uma excelente maneira de adquirir danos neuronais (ou neste caso, agravar os que já se têm), impede-nos de apreciar devidamente o espectáculo? A qualidade da música, a qualidade dos intérpretes, a mensagem passada… Estou a ser exagerado, eu próprio, depois de 15 minutos a ouvir Machine Head, já estava com vontade de partir tudo à minha volta! Acho que aquela música desliga-nos aquele interruptor no cérebro que impede que nos tornemos autênticos animais selvagens… Aquele que o Bruno Alves tem sempre desligado… O que não é mau de todo! Acho que se toda a gente fizesse moshe pelo menos uma vez por semana, este Mundo seria um lugar melhor! Temos muita raiva dentro de nós e qual a melhor maneira de libertá-la do que em desconhecidos? Assim não fazemos mal a quem nos rodeia… Acho que a solução para o problema do Médio Oriente passaria por aí… Moshes semanais…

Mas eu confesso: não sou homem, nem fucking crazy o suficiente para andar no moshe… Chamem-me cobarde, mas se conhecessem a minha história pessoal percebiam (mistério…).

Acho também piada ao facto de, num concerto, perdermos completamente a nossa identidade… Deixamos de ser o Manuel, o João ou o Alberto para sermos “o público”. E "o público" é capaz de tudo. Ou melhor, “o público” é capaz de fazer tudo o que o James Hetfield nos peça aos berros: desde cantar, gritar, gesticular furiosamente ou imolar-nos pelo fogo em nome de Alá… Enquanto somos “o público” somos capazes de tudo. E, para dizer a verdade, estar num concerto é o mais próximo que eu alguma vez estive de estar num comício do Partido Nacional Socialista… Não é que não goste, mas é poderosamente assustador… Sinto que estou rodeado de pessoas que gritariam “Morte aos Judeus” se o James mostrasse que ficaria relativamente bem impressionado se o fizessem…

Sempre preocupados com a conjuntura económica actual os Metallica cantaram “Give me fuel, give me fire, give me that wish I desire”, entrando na mente e expressando a vontade de milhares de portugueses e solidarizando-se com os nossos pescadores… Ficou-lhes bem! Até porque eu, para lhes fazer a vontade, “dei” 50 euros de fuel para os ir ver… Mas valeu a pena!

P. S. Para que ficou com a ideia que eu detestei o Rock in Rio desengane-se! Eu adorei, mesmo com a cena das casas de banho, da publicidade e da porrada… Usei este tom apenas para vos falar da minha experiência sem sair do espírito habitual deste blog! Foi um dia muito bem passado, na companhia de amigos e tive a oportunidade de ver uma das minhas bandas preferidas, a banda da minha adolescência: os Metallica! À terceira foi de vez! Finalmente consegui ir vê-los (a porcaria dos exames impediram-me das outras duas vezes) e foi memorável! Todos os artistas se aguentaram de pé e ganhei um belo barrete de campino para usar nos jogos da selecção! O que é que poderia querer mais? Ah e, a bem da justiça, até gosto de Machine Head! Não é a minha banda preferida, nem o meu género preferido, mas até são bons! E Apocalyptica e Moonspell estiveram muito, muito bem! Moonspell já esperava mas Apocalyptica é diferente de tudo o que eu já vi até agora. Quatro virtuosos do violoncelo e um baterista fazem maravilhas e mostraram-me que é possível fazer rock de todas as maneiras possíveis! O que é preciso é criatividade! O que consegui ver de Wray Gunn (visto que andava tão ocupado em compromissos publicitários distraí-me com as horas e não consegui estar lá desde o início...) foi também espectacular. O Paulo Furtado é o maior! E, apesar de sozinho ser também muito bom (Legendary Tiger Man) está muito bem acompanhado em Wray Gunn!

Enviar um comentário