terça-feira, 3 de junho de 2008

Tal e qual como nós...




Nunca como agora a máxima de Andy Warhol fez tanto sentido. Numa altura em que vale tudo para conseguirmos os nossos 15 minutos de fama (gravando discos que ninguém ouve, sendo candidatos à liderança do PSD, sendo vizinhos de um serial killer, sendo serial killers, atravessando a ponte 25 de Abril usando apenas um chapéu de Napoleão e umas botas de salto alto enquanto gritamos “Parem de buzinar! Sou apenas um mensageiro do Deus da Água Posídon!”) as celebridades surgem-nos como uma espécie de divindades. Autênticos deuses que conseguiram eternizar os seus 15 minutos. São amadas, são admiradas, são perseguidas, são acusadas de pedofilia… São tudo menos humanas… Quantos de nós não ficariam embasbacados se nos cruzássemos amanhã com o Robert De Niro na fila para o autocarro? Quantos de nós não ficaríamos de boca aberta se víssemos a Angelina Jolie no Lidl a escolher o atum mais baratucho (para conseguir sustentar tantos filhos é normal que seja poupadinha...)? Quantos de nós não ficaríamos surpresos se estivéssemos presentes numa reunião com o Tom Cruise e com um grupo de marcianos a elaborar um plano para dominar o Mundo (eu, pelo menos, fiquei, não esperava isso do tipo do Top Gun...)? Quantos de nós não ficaríamos estupefactos se víssemos o Carlos Cruz numa casa de Elvas onde se fazem orgias com crianças?

É incrível o estatuto que as celebridades adquiriram! E, nomeadamente para nós, homens, as do sexo feminino. Autênticos ídolos da perfeição! Autênticas deusas! Figuras centrais das fantasias de milhares de homens por esse mundo fora. Tão inalcançáveis que as mulheres nem têm ciúmes… Quantos de vocês não fantasiaram com a Angelina Jolie? Quase todos! É inevitável! (No entanto garanto-vos que ela não é grande coisa na realidade. Não é aquilo que pintam. Vi-me obrigado a dispensá-la para o Brad Pitt que anda sempre a cheirar o meu caixote de lixo. Lá lhe deixei ficar com a Angelina, dei-lhe uma festa na cabeça e foi ele todo contente a abanar o rabo para a sua casota, como se tivesse conseguido uma grande coisa. O raio do bicho).

É por isso que quando Cameron Diaz e Eva Mendes se juntam para fazer concursos de gases ficamos completamente surpresos! Quem diria que elas eram companheiras de flatulência? Ou, numa linguagem mais moderna: "farting buddies" (gostaram deste estrangeirismo que inventei? Estão à vontade para usá-lo nos vossos jantares de família ou nos vossos encontros amorosos, situações mais propícias para este tipo de celebração acontecer)? Não conseguimos imaginá-las como humanas, muito menos como pessoas que se peidam à força toda, que empestam o ar com autênticas armas de destruição maciça gástricas, que libertam rajadas de metralhadora pelo ânus (é incrível a conotação bélica que eu dou aos traques!) e que, ainda por cima, se divertem com isso… E então, rapazes? Excitados? Ao fim ao cabo, elas são como nós… Tal e qual como nós...

Enviar um comentário