sexta-feira, 24 de abril de 2009

A que é que corresponde um ano de corta-unhas em anos humanos?



O dia 11 de Abril é um dia muito especial... Porque foi o dia em que nasceu Léo-Paul Desrosiers, famoso romancista do Quebeque? Também e já esperava que me atirassem à cara... Mas há algo de muito mais importante que aconteceu neste dia. O dia 11 de Abril está para o Mundo como o dia 11 de Setembro está para o terrorismo ou está para a blogoesfera como o dia em que nasceu Jesus Cristo está para o nosso calendário. Porque foi neste dia, 11 de Abril de 2008, que este blog foi criado (actualização da data de hoje no meridiano da blogoesfera: 13/1/1 d. CuM (depois de Corta-unhas melancólico).

Um post sobre o Mário Machado (que início tão auspicioso...) serviu para inaugurar este espaço que marcou indelevelmente a vida de todos os que por aqui passaram. Este blog fez 1 ano no passado dia 11 de Abril. Um ano em que dei tudo de mim, um ano em que vos fiz chorar de alegria, um ano em que vos fiz chorar de tristeza, um ano em que a vossa rotina diária deixou de ser "acordar-tomar pequeno-almoço-tomar banho-trabalhar-jantar-dormir" para passar a ser "acordar-ler o corta-unhas melancólico-ficar inconsciente de tanto rir-recuperar a consciência-voltar a ficar inconsciente com a recordação do post-voltar para a cama e rezar a Deus para que aqui o vosso amigo escreva outra coisa no dia seguinte, mas se não fizer não faz mal eu volto a ler o último post porque vou sempre descobrir novas nuances e interpretações".

Este último dia 11 de Abril foi um dia histórico que não podia deixar de assinalar. Com 13 dias de diferença. é certo. Mas assinalei-o e estou muito agradecido a mim mesmo por isso.Apesar de tanto tempo de atraso fui também a única pessoa a fazê-lo. Nenhum de vocês (sim, vocês os 2, estou a falar convosco...) se lembrou de me felicitar pelo primeiro aniversário deste blog. Nem um fogo de artifício, nem um mega concerto com as minhas bandas preferidas, nem um almoço na Mealhada (e vocês sabem muito bem que eu adoro leitão...). Nada! Nem uma SMS... E não ter o meu número não é desculpa. Se vocês precisassem, como já aconteceu, que eu vos ajudasse com alguma questão relativa a processos criminais eram meninos para me ligar. Sabem da minha influência e sabem que uma palavra minha pode fazer parar o Mundo caso eu o entenda (a propósito, a razão de o hemisfério norte estar virado para cima e de o hemisfério sul estar virado para baixo tem a ver com o simples facto de não me apetecer viver num hemisfério que implicasse que eu andasse sempre de cabeça para baixo... É perigoso porque concentra demasiado o sangue na cabeça e se eu quisesse andar sempre assim limitava-me a fazer o pino).

Enfim... Vou-me deixar de parvoíces e falar um bocado a sério. Este blog fez um ano e há uma conclusão que posso tirar: ainda não cheguei ao 100.º post, o que é vergonhoso. De qualquer maneira nunca pensei que conseguisse aguentar uma coisa destas tanto tempo e a escrever com alguma (não muita) frequência. Foi algo que me deu imenso gozo e, modéstia à parte, fiquei orgulhoso quando acabei de escrever alguns posts (não muitos...). Descobri o gosto pela escrita e descobri um hobby que me faz sentir bem.

Mais do que isso o blog permitiu-me tomar contacto com o Mundo da blogoesfera (talvez a palavra Mundo seja um bocado exagerada quando estamos a falar de blogoesfera, prefiro usar a palavra "coisa")... permitiu-me tomar contacto com esta "coisa" da blogoesfera. Até ter um blog achava que a blogoesfera era uma espécie de reino absolutista do Pacheco Pereira. Mas não é... Acho que aquilo que mais me motivou para não desistir de actualizar o blog passadas duas semanas foram os comentários que fui tendo de "desconhecidos" (até então) que alimentavam o meu ego com críticas positivas, que permitiram enriquecer a minha perspectiva sobre determinados assuntos (recordo com nostalgia aquele anónimo que me mandou para o "caralho que me foda", passo o vernáculo, a propósito de algo que escrevi sobre o João Pedro Pais), que me faziam rir, e que me deixavam muitas vezes agarrado ao e-mail à espera de comentários (quão doentio é isto?). É escusado estar com coisas. Por muito que me dissesse que escrevo apenas pelo prazer de escrever (e em parte é verdade) estaria a mentir se não dissesse que gosto muito de receber comentários. Principalmente porque tenho a sorte de as poucas pessoas que passam por aqui serem extremamente interessantes (sendo que os blogs de algumas delas fazerem agora, de certo modo, parte da minha vida... É engraçado...). É um privilégio ter as vossas visitas!
Enviar um comentário