sábado, 31 de maio de 2008

Empreendorismo e criatividade num meio competitivo


Gosto muito de ver a Amy Winehouse a trabalhar. É uma pessoa extremamente competente na sua profissão de toxicodependente. De facto é muito raro encontrar bons profissionais nesta área mas, devido ao seu esforço, Amy atingiu um estatuto que é raro um toxicodependente conseguir atingir.

Geralmente, para conseguirem dinheiro para droga os toxicodependentes arrumam carros ou apontam seringas contaminadas com o HIV aos transeuntes. Reconheço que são métodos eficazes mas já começam a cansar. Embora estes métodos funcionem, ameaçar as pessoas (ainda que muitas vezes implicitamente) de que vão ter o seu carro riscado ou vão apanhar SIDA se não lhes financiarem o vício acaba por, a longo prazo, manchar a imagem dos toxicodependentes perante a sociedade e por estigmatizar uma classe que tanto tem lutado para se afirmar. Ao cantar umas musiquinhas para todos aqueles que lhe financiam a droga, Amy Winehouse afirma-se como uma toxicodependente empreendedora e consegue, muitas vezes, sacar mais dinheiro numa noite do que alguns drogados numa semana.

Embora a toxicodependência no showbiz não seja original (sim, esta é para ti, Tony Carreira!) e apesar de muitas vezes os espectáculos da Amy sejam tão agradáveis como ser ameaçado com uma seringa ou tão decadentes como ouvir o Quim Jecta, o drogado da minha rua, a cantar o fado e a fazer sapateado enquanto espuma da boca, é sempre bom, num país com tantos incompetentes como o nosso, ver alguém a desempenhar a sua função de forma tão exímia.

Ontem, dezenas de milhares de portugueses pagaram droga à Amy Winehouse. Tudo em nome de um Mundo melhor, é claro…

Enviar um comentário